domingo, 19 de dezembro de 2010

Filme: A Batalha dos Três Reinos.

Educador: Natanael Steffen
CREF 3 008348
CIT.6614/10
 Na China, no ano 206 A.C., publicou-se um livro  regulamentando um jogo de aplicação militar chamado TSU-CHU que se praticava desde o tempo do Imperador Huang-Ti ( 2500 A.C) e possuía semelhanças com o KEMARI, jogo práticado no Japão primeiramente pela aristocracia. ( No filme reconstitui em um momento a pratica do Jogo com os pés "futebol"). 
Não esquecendo da arte da musica uma combinação do mistico-natureza o movimento, ser espiritual envolve o cuidado com o outrem. 
Saiu de uma passagem de Romance dos Três Reinos, livro escrito por volta do ano 1350 por Luo Guanzhong, a história para o novo filme de John Woo, A Batalha dos 3 Reinos (Red Cliff). Mas é outro livro que influencia de forma mais ostensiva o filme: A Arte da Guerra, de Sun Tzu. Na verdade, as lições de estratégia militar escritas por Sun Tzu seis séculos antes de Cristo já inspiravam os líderes dos três feudos que, dos anos 220 a 280 d.C., durante a dinastia Han, guerrearam entre si para defender sua parcela no território chinês. O clímax dessa luta, a batalha dos penhascos vermelhos, são o foco da história contada por John Woo.
No filme, somos logo apresentados a Cao Cao (Zhang Fengyi), primeiro-ministro do imperador que, vindo de uma vitória militar, consegue convencer o fraco regente a bancar outra guerra - desta vez, contra os supostos rebeldes do sul, os reinos dos senhores Sun Quan e Liu Bei. O exército de Cao Cao é radicalmente mais numeroso, mas a aliança formada pelos estrategistas de Sun Quan e Liu Bei - respectivamente, Zhou Yu (Tony Leung Chiu-wai) e Zhuge Liang (Takeshi Kaneshiro) - tenta tirar a vantagem de Cao Cao na base da inteligência.
Woo faz um trabalho formidável no início para não deixar que a salada de nomes, reinos e hierarquias confunda o espectador. Formidável porque somos apresentados de forma didática a cada um dos senhores feudais, generais e conselheiros (inclusive com legendas, como num tokusatsu), com cada personagem sendo tipificado de um jeito (há o general brutamontes, um outro bom de montaria, há o estrategista que ama a mulher, outro que sabe apreciar música), e esse resumão, ao invés de reduzir o potencial desses personagens, consegue nos dar um painel amplo do que esperar, quando a batalha começar.
É como se nos fossem apresentados os "jogadores" de um imenso game de estratégia. Não por acaso, os personagens vividos pelos astros Kaneshiro e Tony Leung são os verdadeiros protagonistas. É na boca dos dois que John Woo coloca as frases mais sintéticas do pensamento de Sun Tzu - guerrear é proteger civis, respeitar as leis da natureza etc. E enquanto os "rebeldes" do sul são mostrados como benfeitores (ensinando soldados a ler e escrever), Cao Cao é pintado como o militar extremado, que usa até futebol no treinamento de seus homens.( livro de Claudio José Gomes Nogueira,Educação Física na sala de aula. pg 19)
Uma vez que a arte da guerra de Sun Tzu se baseia numa ética própria - repare como o pior xingamento que alguém pode receber no filme é "traidor" - John Woo consegue licença para exercitar todos os seus dons sem a preocupação de estar glamourizando a violência. Planos de gruas, travelings circulares, zooms velozes... Todo tipo de ferramenta de cinema de ação, mesmo os mais cafonas, como as fusões de imagens, caem bem na mão do cineasta. A Batalha dos 3 Reinos é um épico digno do nome, e o senso de ritmo do diretor, que faz 150 minutos de sessão parecer menos, é invulgar.
Vale comparar o longa - o primeiro do cineasta em sua pátria materna desde Fervura Máxima (1992) - com outros similares, como os épicos de Zhang Yimou, de Herói e O Clã das Adagas Voadoras. As diferenças ficam evidentes nos momentos mais movimentados da ação. Enquanto Yimou privilegia a coreografia da luta, o bailado dos corpos que não necessariamente implica um bailado também da câmera, John Woo pensa com cabeça de montador. Há algum balé e pouco wire-fu em A Batalha dos 3 Reinos, mas a verdadeira coreografia ali é de câmera. O compasso das lutas não se dá na encenação, mas no jogo de aproximar, rodar e afastar que Woo impõe na montagem.
E aí fica difícil não se render ao estilo de John Woo. Não falta nem a pomba!
   
...Uma dica para educadores físicos trabalhar com seus alunos, na construção de jogos de estratégias.. e a história do futebol...




Nenhum comentário:

Postar um comentário